quarta-feira, 20 de junho de 2012

Papagaios de pirata usam até crachá falso da Rede Globo


Por Marcos Niemeyer
Acompanhe.me no Facebook. Clique aqui:

>> A maioria deles mal sabe escrever um texto de dez linhas, mas formam uma tribo capaz de causar preocupação às emissoras de TV. Nas gravações externas ou até mesmo em eventos fechados, costumam aparecer bem vestidos e falando ao celular. Posicionam-se de maneira estratégica por trás dos repórteres como se fizessem parte da equipe.

São os onipresentes "papagaios de pirata", ilustres desconhecidos que não medem esforços para figurar clandestinamente ao vivo na tela. O termo surgiu por suas cabeças ficarem na altura do ombro dos personagens ativos das entrevistas, assim como ficam os papagaios junto dos piratas - de acordo com os contos.

Esses tipos urbanos são presença constante em eventos importantes ou até mesmo em simples matérias jornalísticas do cotidiano nas grandes cidades brasileiras. "É difícil evitá-los. Se multiplicam de maneira espantosa diante das câmeras", revela Ronaldo Constantino, cinegrafista da TV Globo/ Rio.

Papagaio de Pirata que se preze não poderia ficar de fora da Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, tendo em vista a ampla cobertura da imprensa, inclusive internacional, no encontro que termina nesta sexta-feira (22) no Rio de Janeiro.

Para chegar ao local pretendido, costumam driblar até mesmo o esquema de segurança. Alguns usam a jogada simplesmente como diversão, outros tentam se notabilizar diante dos holofotes televisivos.

Luciano Lima , 32 anos, trabalha de camelô no centro da cidade. "Quando entro no ônibus todo mundo comenta: "Eu vi você na TV! É minha jogada de marketing. Toda vez que apareço na televisão minhas vendas aumentam, conta sorridente. Luciano não perde uma pauta jornalística importante.

"Nil Ramos é meu nome artístico", anuncia um corretor de imóveis, que usa o mesmo 'modus operandi' de Luciano Lima. Segundo afirma, o negócio funciona mesmo. "Consigo alugar mais apartamentos, fico conhecido, as pessoas me reconhecem, fica mais fácil me aproximar do cliente, estabelecer uma relação para o negócio."

Engana-se quem pensa que eles não são organizados. Os papagaios de pirata formam uma espécie de "corrente". Ficam atentos aos telejornais da noite para saber onde vai ser a próxima investida "jornalística".
----

Convite

Agradecemos o convite dos estudantes de jornalismo da Faculdade Estácio de Sá de Juiz de Fora para uma prosa com a equipe em data ainda a ser definida. 

Na pauta dos assuntos: a comunicação midiática dos novos tempos (rádio, TV, redes sociais na internet, etc) - responsabilidade e os riscos que envolvem a atividade jornalística entre outros temas abrangentes.

Cine & Foto - Submarino.com.br