sábado, 14 de julho de 2012

"Vejo beltrana a bordejar no pedaço"


Por Marcos Niemeyer
mniemeyer50@hotmail.com
Acompanhe-nos também no Facebook. Clique aqui:

>> Impossibilitado de realizar uma transmissão via internet neste fim de semana no Jazz Café, em Juiz de Fora, por conta de um ligeiro problema nas cordas vocálicas, a melhor alternativa foi mesmo ficar na cama descansando até que mal estar resolva bater em retirada.

Apreciador da boa música - todos sabem que sonoridades elevadas contribuem para o relaxamento das ideias - busquei na estante o CD "Cambaio", trabalho composto por Chico Buarque e Edu Lobo e que serviu de trilha para a peça teatral homônima, de João e Adriana Facão, cuja estreia teve como palco o Teatro SESC Vila Mariana, São Paulo, em abril de 2001.

A obra, com participação de Lenine, Gal Costa e Zizi Possi, recebeu o Grammy Latino de melhor álbum da MPB em 2002. São dez faixas, todas de grande expressividade melódica.

Mas o grande destaque é a própria música que dá título ao disco. "Cambaio", interpretada por Lenine, ressalta a carência afetiva cada vez mais presente no cotidiano das paixões avassaladoras e chega a dar um crédito de "confiança" ao empenho das prostitutas. 

"Eu quero moça que me deixe perdido/ Procuro moça que me deixe pasmado/ Essa moça zoando na minha ideia/ Eu quero moça que me deixe zarolho/ Procuro moça que me deixe cambaio/ Me fervendo na veia..."

Na clara demonstração de descontentamento com as supostas moças "certinhas" - se é que elas ainda existem - a música arremata: "Vejo fulana a festejar na revista/ Vejo beltrana a bordejar no pedaço/ Divinas garotas/ Belas donzelas no salão de beleza/ Altas gazelas nos jardins do palácio/ Eu sou mais as putas."

Confira no vídeo: