sábado, 23 de novembro de 2013

Baratas passeiam de busão em Juiz de Fora


Por Marcos Niemeyer


>> Além da tarifa cara, veículos superlotados, frequentes assaltos e briga de gangues, passageiros são obrigados a conviver diariamente com baratas que circulam livremente pelos bancos e piso dos ônibus na mais "carioca" das cidades mineiras.

Com a chegada do calor, muito embora por aqui a temperatura não seja das mais elevadas, o asqueroso inseto parece ter encontrado no transporte coletivo de Juiz de Fora um local propício para estender as asas.

No fim da tarde desta sexta-feira (22), logo após embarcar na rodoviária com destino ao centro da cidade, uma passageira procedente do Rio de Janeiro foi surpreendida com o voo rasante de graúdas baratas.

Com o ônibus mais lotado do que lata de sardinha, foi um verdadeiro Deus nos acuda. O Bicho parecia estar "assustado" diante da multidão a ocupar o trombolho sobre rodas.

 — E me disseram lá no Rio que aqui tudo é bonito e maravilhoso. Que 'beleza' de recepção estou tendo logo ao chegar neste brejo do caralho, bradou com voz de locutora de FM a carioca queimada de sol.

 — Motorista, para essa porra, eu quero descer no primeiro ponto, gritou um sujeito tatuado e musculoso que ouvia pagode em altíssimo volume no smartphone pintado com as cores do Flamengo.

 — Não posso parar fora do ponto, istrupício. Além do mais cês tão encheno o saco por causa de umas inofensiva baratinha, imagina se fosse um bandido armado com um trêis-oitão em punho ameaçando matar todo mundo aqui dentro, respondeu o motorista com cara raivosa.

Ato contínuo, dezenas de baratas subiam pelas pernas dos passageiros apavorados diante da situação. Finalmente um ponto de parada logo na primeira curva da Avenida Brasil. Todos desceram imediatamente, inclusive o motorista e o cobrador.

Tumulto estabelecido, viaturas da PM cercaram o coletivo diante do que poderia ser mais um assalto entre os muitos que acontecem diariamente nos ônibus que circulam pelo município. Em poucos minutos o coletivo foi literalmente invadido por um batalhão de baratas que surgiam como que num passe de mágica.

Fenômeno idêntico jamais tinha ocorrido na centenária Juiz de Fora. Com uma frota de ônibus praticamente sucateada e inexpressiva, a cidade vive entre o moderno e coisas absurdas, do arco da velha.

Verdadeira incompetência e descaso por parte daqueles que não deviam deixar que fatos dessa natureza ocorressem. As empresas de transporte coletivo só querem saber de faturar sem oferecer o mínimo de conforto ao usuário. Os políticos, por sua vez, continuam só na base das promessas. O povo tá mesmo phodido.
.