domingo, 19 de janeiro de 2014

Natural de Juiz de Fora


Por Marcos Niemeyer


>> Injustamente ignorado pela mídia — a exemplo do que ocorre atualmente com os verdadeiros talentos da música brasileira —  Geraldo Pereira, um dos grandes compositores da MPB, era natural de Juiz de Fora, cidade onde nasceu outras importantes figuras da literatura, do jornalismo e das artes em geral. O artista foi morar no Rio de Janeiro aos doze anos. Tradicionais sambas da Velha Guarda da Mangueira são de sua autoria.

Apesar do grande talento, trabalhou como motorista de caminhão de lixo na Cidade Maravilhosa. Amigo de Cartola e de outras bambas, voltou várias vezes a Juiz de Fora onde tinha um romance com uma mulata vistosa, dessas de parar o bonde que ainda circulava pela área central da "Manchester Mineira".

Algumas de suas canções, a exemplo como Bolinha de papel e Falsa baiana, foram gravadas por Gal Costa e João Gilberto e inseridas no contexto da Bossa Nova.

O grande cantor Cyro Monteiro também interpretou sucessos de Geraldo Pereira. Além de Falsa baiana, gravou Escurinho, clássico genuíno do samba, também imortalizado na voz de Chico Buarque. Outros intérpretes contribuíram para a popularização da obra do artista mineiro.

Aracy de Almeida, gravou Falta de sorte, parceria de Geraldo e Marino Pinto, Isaura Garcia (Pode ser, com M. Pinto), Anjos de Inferno (Bolinha de papel), Blecaute (Que samba bom), o próprio Geraldo Pereira (Ministério da economia e Cabritada mal sucedida), Cyro Monteiro (Você está sumindo e Pisei num despacho) e  Zizi Possi (Escurinho e Escurinha).

Discos com releitura de seu insuspeitável trabalho foram gravados depois de sua morte. Outras composições famosas do compositor: Sem compromisso, pelos Anjos do Inferno e Acertei no milhar (com Wilson Batista) por Moreira da Silva.

Apesar do talento de sobra, Geraldo Pereira levou uma vida repleta de dificuldades financeiras. Boêmio e valente por natureza, foi morto durante uma briga com o indigesto travesti “Madame Satã”, após confusão entre os dois, na Lapa, tradicional bairro mundano localizado na região central do Rio.

Consta da ocorrência policial, datada de l955, que Satã teria desferido violento soco no compositor. Embriagado, este teria caído e batido com a cabeça no meio-fio. 

Há quem garanta, no entanto, que o artista morreu vitimado por um câncer. Geraldo Pereira, que sucumbiu praticamente na miséria, deixou alguns parentes em Juiz de Fora. Uma de suas Netas, Maria Aparecida Pereira, 60 anos, ganha a vida com um carrinho de pipoca no centro da cidade.
.