segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Aéreo Neto e a elite preconceituosa


Por Marcos Niemeyer


>> Inconformada com a derrota do candidato oficial da mídia fascista e que ela — obviamente, também apoiava nessas eleições —, a desprezível burguesia brasileira tem espalhado sua ira nas conversas pessoais e na internet contra os nordestinos que, afirma, são os culpados pelo fato de o tucano fanfarrão ter dado com os burros n'água.

Em Juiz de Fora, após avistar o porteiro do estiloso edifício em que mora numa área nobre da invernosa cidade chegar ao trabalho dirigindo o próprio veículo, uma poderosa advogada natural de São Paulo não se conteve: "Porteiro andando de carro? Esse povinho nordestino tem que andar é a pé ou de ônibus. Garanto que esse infeliz votou na terrorista da Dilma."

Além da intolerância odiosa, os que nasceram em berço de ouro tentam se fazer de vítimas. Se por sua vez, a maioria do ensolarado Nordeste votou em Dilma — inclusive, Pernambuco, onde a viúva do finado Eduardo Campos declarou apoio ao boa vida Aéreo Neto —, foi com o auxílio de Minas Gerais que as urnas confirmaram a reeleição da presidente, com uma diferença de meio milhão de votos.

Como diz o velho e bom ditado, quem muito conversa dá bom dia a cavalo. Com Aéreo, não foi diferente. Um dia antes da eleição, ele abria o bico diante dos holofotes midiáticos para dizer que já se considerava "eleito".

Mentiroso, espalhou aos quatro ventos durante a campanha e, até mesmo nos debates, ter deixado o governo de Minas com 92 por cento de aprovação popular. Cansado de suas embromeichions, o povo mineiro deu um "tiro" de misericórdia no saco dele ao não eleger, também, o candidato de seu partido à sucessão estadual.

IMAGEM QUEIMADA

Aéreo nunca foi bem visto pelos brasileiros, nem mesmo na terra em que nasceu. Sua projeção nacional foi incensada pelos meios de comunicação — sobretudo pela Rede Globo, Folha de São Paulo e revista Veja. Uma mídia suja, vendida e com propaganda do bacana onipresentemente. Como a maioria das pessoas — inclusive, os próprios eleitores do tucano — tem por hábito se "informar" através da televisão, vem daí sua imagem de "bom moço" e "salvador" da pátria.

Em seu discurso após ver a vaca ir pro brejo, Aéreo Neto rasgou elogios aos paulistas — estado em que foi amplamente votado.

"Deixo essa campanha ao final com o sentimento de que cumprimos o nosso papel. São Paulo retrata de forma mais clara o sentimento que tenho no meu coração pelo cumprimento da minha missão: combati o bom combate, cumpri minha missão e guardei a fé.”

Em represália aos mineiros, não citou Minas. Ficou ainda mais queimado por essas bandas. Sem contar que na tentativa de fazer média com São Paulo, possivelmente já pensando em 2018, o bacana teria dois fortes concorrentes tucanos: a dupla paulista Geraldo Alckmin e José Serra.

CÊS VÃO MORRÉ DE SEDE, NUM SABE? 

Por outro lado, essa onda criminosa que a elite tem espalhado feito rastro de pólvora nas redes sociais classificando o povo nordestino de "burro", "ignorante", "pobre", "feio" e outras intolerâncias pelo fato de ter votado maciçamente na Dilma, é digna do mais absoluto desprezo.

São Paulo, por exemplo, não pode ter motivos para falar mal de quem quer que seja. Pricipalmente quando se trata de uma forma preconceituosa contra um povo honesto e trabalhador. A ex-"Terra da Garoa" passa grave crise de abastecimento d'água, algo sem precedente em sua história. Tem nativo se pirulitando de lá por conta da seca avassaladora.

Os mais abastados estão tomando banho de cuia e reaproveitando a água usada na higiene pessoal para beber, lavar, cozinhar e o carayo a quatro. Pelo andar da carroça, vão acabar fugindo em direção ao Nordeste. Para tirar sarro dos preconceituosos, uma cabrocha cearense faz sucesso na internet ao zombar da penúria dos paulistas diante de algo jamais por eles imaginado.

Clique no play para ouvir
.