terça-feira, 16 de junho de 2015

Sêo Olindino e suas galinhas


Por Marcos Niemeyer
mniemeyer50@hotmail.com
facebook/


>> O caso contado no quadro "Fatos Inusitados", de uma FM comunitária em Juiz de Fora nos despertou a atenção. O apresentador do programa resolveu levar como "convidados especiais" aos estúdios da emissora o casal Olindino Silva Pereira, de 68 anos e Florinda da Conceição Pereira, de 65.

Aposentados e já com os filhos casados, vivem sozinhos numa modesta casa localizada em Benfica, na periferia da cidade. Sêo Olindino e Dona Florinda vendem fruta nas ruas para completar a renda.

Apesar da vida humilde, aparentemente vivem sem maiores dilemas. O grande "pobrema" disse a risonha Florinda é que o marido não abre a mão nem pra dar bom dia. "Ele é mão de vaca", entregou.

Olindino, de fato, tem fama no bairro de ser um homem que não gosta de repartir o pão nem com a própria mulher. Em seu quintal, ele possui boa criação de galinhas. Quando a esposa quer, porém, saborear uma penosa bem temperada é preciso comprá-la em sua mão.

E depois do almoço pronto, o distinto senta-se à mesa e come até não querer mais. De quebra, fica aborrecido caso a patroa resolva comprar o frango em outro lugar que não seja no galinheiro de casa. 

Questionado porque age de tal forma, o aposentado disse que é pra não deixar a esposa "mal acostumada".  Muié é assim, meu fio. Se nóis dê moleza elas passa o rodo. Antão é perciso tratá elas com inducação, mas botá elas nos prumo.

A dona disse que já está acostumada com as "aborrescências" do marido. "Ele é um homi bão, só é impricante com as cousa e jamais mim deu uma galinha de presente. Ouvintes ligaram para a rádio e criticaram a conduta de Olindino diante da esposa. Eles estão casados há quarenta anos.

A situação só se amenizou quando Olindino resolveu mostrar que é também um exímio tocador de moda de viola. De posse do instrumento, cantou várias músicas caipiras de mil novecentos e antigamente. Conseguiu, diante do fato inusitado, receber aplausos de outros tantos ouvintes.
.