domingo, 9 de abril de 2017

A irritante buzina automotiva

Por Marcos Niemeyer
miemeyer50@hotmail.com
mn.facebook/


>> Motorista brasileiro é uma desgraça. Não suporta a igualdade no trânsito e jamais comporta-se de maneira igual aos demais nos espaços públicos. Um das situações mais irritantes provocadas por quem está ao volante de um veículo ou pilotando uma moto é o uso abusivo da buzina.

Quando o sinal verde abre, há sempre um filho de uma que ronca & fuça pressionando-a prolongadamente, seguido logo por outros como se fosse uma espécie de contágio. Algo do tipo: "Sai da frente! Se não eu passo por cima".

A função da buzina automotiva deveria ser usada com um único propósito: alertar. Exemplo: pedestres que passam distraídos com o sinal amarelo ou vermelho, um motorista mais imprudente que atravessa a rua sem a devida atenção ou em outros casos que justifiquem o ato.

Mas, na prática, a desgraça da buzina transformou-se numa espécie de autoafirmação, símbolo de "virilidade" desses ignóbeis que se acham os donos da cocada preta. Buzina-se a qualquer hora do dia ou da noite de maneira desnecessária.

Vejo pessoas "cumprimentando" ou chamando as outras com a irritante sonoridade, como se fosse algo bonito e desejável. Recentemente, no centro de Juiz de Fora, ouvi uma insistente buzina há poucos metros de onde eu estava. Fiquei na minha, porque evito dar atenção a essas atitudes insanas. Ato contínuo, um "amigo" meu gritou: "Ô Marcão, num tá ovindo eu te chamá não?".

Só não mandei o cabra tomar no YouToba dele porque o mesmo se fazia acompanhar pela esposa. Mas, disse-lhe sem mais delongas: — Não sou puta pra atender chamado de buzina de carro. Se não bastasse tamanho despropósito, ainda há aqueles que personalizam a buzina com hinos de clube de futebol, cachorros latindo, cavalos rinchando, gritos de guerra e "músicas" no estilo funk e "sertanejo universitário".

Esses imbecis que gostam do buzinaço esquecem que são passíveis de penalidade pouco acima de cinquenta reais (deveria ser, no mínimo, de mil reais) e multa na Carteira de Habilitação, de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro. A falta de fiscalização para multar os infratores é um dos maiores agravantes. E como no Brèzyl varonil as leis não costumam ser respeitadas, a situação se faz cada vez pior.

Não é sem motivo que brasileiro arruma encrenca nos países do Primeiro Mundo. Lá por aquelas bandas, não se ouve buzina de maneira desnecessária pelas ruas ou qualquer outra atitude incoerente com as leis e costumes do povo. E como nos países desenvolvidos as leis são válidas para todos, os indisciplinados acabam dando com os burros n'água.

DATACORNO 

Um estudante de design gráfico da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) promete lançar, em breve, um aplicativo que vai detectar se o cabra está sendo traído pela esposa ou namorada e mostrar até o nome do "Ricardão" na tela do celular. Segundo o distinto, a engenhoca também é válida para as fêmeas descobrir se estão sendo enganadas. Amiúde se faz, pois, botar as barbas de molho.
. .