terça-feira, 5 de setembro de 2017

Fogo no lombo deles ainda seria pouco!



Por Marcos Niemeyer
mniemeyer50@hotmail.com


>> O latrocínio ocorrido na tarde da última quarta-feira (30) em Muriaé, a pouco mais de cem quilômetros de Juiz de Fora e do qual foi a vítima a médica veterinária Manuela Pereira da Matta, 33 anos, morta a tiros por dois menores, traz mais uma vez à tona a necessidade de se rever os atos cruéis praticados por esses assassinos e aplicar-lhes punição à altura de suas ações imperdoáveis 

Manuela caminhava por uma calçada no centro da cidade quando foi surpreendida pela ação de dois adolescentes, de 16 e 17 anos. Ambos estavam numa moto e um deles, com o apoio de um terceiro comparsa,  salta do veículo e corre em direção à vítima para roubar seu celular. 

Com um revólver em punho, tenta puxar o aparelho de suas mãos. Ela tenta se afastar, dá um passo para trás e acaba baleada. Interromperam a vida e a carreira promissora da moça, destruíram família e muitos sonhos. Os assassinos foram capturados pela polícia sete horas depois. 

Diante da impunidade reinante, e por serem "di menor", esses filhos de Satanás com a Pombagira brevemente estarão livres nas ruas cometendo novas atrocidades. Enquanto não houver uma mudança rigorosa na lei, a situação só vai piorar. 

O menor criminoso deveria ter o receio da medida sócio educativa (pena) que vai receber. Com a atual legislação isso não acontece. Aliás, esses covardes sabem que a medida máxima aplicada a eles não pode passar de três anos. Causando assim uma sensação de insegurança junto à sociedade.

Eles deveriam ser punidos como se tivessem maioridade penal ou seja, 21 anos, pois assim como foram homens para cometerem os abusos e atrocidades dos crimes devem também receber tratamento à altura. Assim ocorre na maioria dos países. No Brasil, porém, o Congresso Nacional não se atenta diante da gravidade da situação. Enquanto isso, todos nós estamos sujeitos a servir de alvo para bandidos “di menor” sanguinários e impiedosos.

. .